sexta-feira, 9 de junho de 2017

MANUEL ALEGRE VENCE PRÉMIO CAMÕES 2017

O destaque literário desta semana na Biblioteca vai todo para o escritor e poeta português Manuel Alegre, que acaba de ser o  vencedor do Prémio Camões 2017.

Na vitrine dos destaques, na Sala de Adultos da Biblioteca  já se encontra disponível toda a bibliografia do autor.

Boas leituras!





MANUEL ALEGRE VENCE PRÉMIO CAMÕES 2017

O escritor português Manuel Alegre é o vencedor do Prémio Camões 2017, foi anunciado esta quinta-feira na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, após reunião do júri.
"Como poeta, começou a destacar-se nas coletâneas 'Poemas Livres' (1963-1965). Mas o grande reconhecimento nasce com os seus dois volumes de poemas, 'Praça da Canção' (1965) e 'O Canto e as Armas' (1967), apreendidos pelas autoridades antes do 25 de Abril, mas com grande circulação nos meios intelectuais", lê-se no comunicado hoje divulgado, pelo Governo português.
O escritor disse que recebeu a notícia de atribuição do Prémio Camões, com "serenidade e alegria", considerando que o reconhecimento maior é o que vem de quem o lê.
Em declarações à agência Lusa, o escritor referiu que lhe dá "particular satisfação", a atribuição do prémio, até porque Luís de Camões é um dos poetas que aprecia, e lembrou que reeditou recentemente o seu livro "Vinte Poemas para Camões".
"O meu reconhecimento maior é o que vem dos meus leitores através dos tempos, vencendo várias formas de censura. Naturalmente, uma distinção desta natureza tem o significado que tem", disse á Lusa Manuel Alegre, de 81 anos.
O escritor recordou igualmente ter recebido o Prémio Pessoa, o que lhe deu "grande satisfação", por ter também "um grande significado cultural".
Esta é a 29.ª edição do Prémio Camões e o júri foi constituído por Paula Morão, professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Maria João Reynaud, professora associada jubilada da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Leyla Perrone-Moisés, professora emérita da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, José Luís Jobim, professor aposentado da Universidade Federal Fluminense e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Lourenço do Rosário, reitor da Universidade Politécnica de Maputo e pelo poeta cabo-verdiano José Luís Tavares.
O Prémio Camões, instituído pelos Governos de Portugal e do Brasil, em 1988, foi atribuído pela primeira vez em 1989, ao escritor português Miguel Torga.
Segundo o texto do protocolo constituinte, assinado em Brasília, a 22 de junho de 1988, e publicado em novembro do mesmo ano, o prémio consagra anualmente "um autor de língua portuguesa que, pelo valor intrínseco da sua obra, tenha contribuído para o enriquecimento do património literário e cultural da língua comum".




APRESENTAÇÃO DO LIVRO "BREVES CONTOS MODERNOS" DE MARCO OLIVEIRA

Ontem, pelas 21h30, decorreu a sessão de apresentação do livro "Breves contos modernos" de Marco Oliveira.
A apresentação esteve a cargo do Dr. José Antunes, orador e Professor da Escola Nova Acrópole, do Porto e as leituras de alguns contos foram feitas por Tiago Moita e Gracineide Pereira.
Marcaram presença o Vice-Presidente, Dr. Paulo Cavaleiro, familiares, amigos e curiosos.

Foram lidos os contos "O chã da manhã" e "Floresta" que se revelaram bastante apelativos para que se prossiga na leitura completa da obra.

Tratam-se de 33 contos pequenos, mini-contos, onde se abordam temas do quotidiano tratados literariamente. 
São breves crónicas do dia-a-dia de um cidadão que questiona valores, filosofias, culturas em pequenos atos de escrita.
É um trabalho feito exclusivamente por amor à Literatura, nobre arte de contar o real, tendo em conta a escrita de Si como ato transfigurador desse mesmo real.
Escritor, Conto e Espírito do Tempo formam estes breves contos modernos, uma desassossegada viagem aos dias mundanos e sagrados em pequenas narrativas, como quem viaja estando no mesmo sítio, no remanso da sua leitura pelas vertigens do tempo.

Marco Oliveira tem 39 anos. É Mestre em Línguas, Literaturas e Culturas (português-inglês) pela Universidade de Aveiro.
Professor de Inglês durante 5 anos em variadas escolas do distrito (Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira), trabalhou na Apple, Lidl, Colep, JPM, Rádio Voz do Caima, Rádio Regional de Arouca.
Escreve desde que se lembra, desde a escola básica do Espadanal... e,  foi na Biblioteca de SJM onde começou a ler os primeiros livros
Gosta da Literatura como quem respira.